Poesia é simples!

Quando Vinícius de Moraes e Tom Jobim compuseram " Chega de Saudade" Lila Bôscoli, esposa do poetinha na época, disse " Que coisa mais boba rimar peixinhos com beijinhos!" ( essa passagem está no delicioso livro "Tom Jobim" de Wagner Homem e Luiz Roberto Oliveira). E o que aconteceu? Bom, eu, você e todos os desafinados desse mundo rimaremos eternamente peixinhos com beijinhos.

Acontece que Tom Jobim, Vinicius de Moraes e muitos geniais desse mundo assim o são porque entendem a beleza da simplicidade. Falar, falar eternamente, falar com palavras difíceis é fácil - só olhar no dicionário os sinônimos mais estapafúrdios desse mundo que é possível montar uma orquestra sinfônica de gosto duvidoso. Agora vai escrever versos para uma música com o título " Eu te Amo" sem citar uma vez a palavra amor.  Não é pra qualquer um. Mas nessa tentativa, de repente nesse jogo sonoro, surge: " Se nós, nas travessuras das noites eternas, já confundimos tanto as nossas pernas". Desculpe o momento piegas aqui caro leitor, mas é de chorar de lindo! 

Quando eu comecei a escrever adorava enfiar pelos textos, assim como quem não quer nada, palavras super rebuscadas como "altivez" , " idiossincrasia" e algumas outras do tipo. Coisa de principiante. E aí, quando eu comecei a querer me aventurar cada vez mais por esse mundo literário, lendo Rubem Braga, João Cabral e outros que sabiam das coisas, percebi que a poesia está no simples. E o simples que é complexo, o simples que eu almejo estar mais perto algum dia.

É que a vida é simples sabe. A poesia é simples.  A beleza é simples. Manoel de Barros é simples. A natureza é simples. Nós que queremos complicar- falar, falar, falar pra não chegar a lugar algum. Cansei de complicação, cansei de empolar a vida, cansei de achar tudo ruim e tudo chato. Tudo é simples e tudo é lindo. Dá uma olhada lá fora pra ver. Ah, não achou? Olha mais uma vez então, quem sabe.

Posted on March 4, 2015 .