A Anna Essencialista

Fim de ano é sempre aquela coisa: promessas pra um lado, expectativas pra outro e, acima de tudo, quando o novo ano chega pra nos acolher, nossa alma é inundada pelo indizível sentimento de esperança. Eu, que adoro divagar sobre tudo, sempre me pego pensando o quanto é curioso 2018 ser diferente de 2017, sendo que o dia 1 de janeiro me parece igual ao dia 31 de dezembro. Vai saber!

Mas, ainda sim, não acho exatamente igual. Há o calendário, que também forma ciclos e que também acompanha as estações do ano ( e mesmo a nossa vida). Então, eu sei e sinto que chegou 2018 e, sem demagogia, o meu objetivo é ser uma pessoa a cada dia melhor, a cada dia mais em paz. Será esse o resultado dos trinta anos chegando? Ou a meditação que levo com tanta disciplina?

Talvez um, talvez outro, mas sei que gosto de caminhar com mais consciência. O mais engraçado de tudo isso é perceber o quanto a gente vai mudando: aquelas roupas que apesar de servirem ao nosso corpo já não servem mais a nossa alma, aqueles hábitos que não são mais tão legais assim, aquele jeito de ser que não combina mais, e mesmo aqueles sentimentos que não condizem com os nossos objetivos.

O que não combina mais, o que é supérfluo. Fechei 2017 e entrei 2018 lendo o livro “Essencialismo”, do Greg Mckeown. No começo, achei aquele conteúdo que lia mais do mesmo ( até refleti se minhas expectativas em relação ao livro não estavam altas demais), mas, depois, fui captando o vital e me transformando com a leitura.

A realidade é que essencialismo dialoga com tudo que venho buscando há um tempo, desde que comecei a minha emocionante jornada interior, a indescritível jornada em direção à minha essência. E, ufa: em um mundo de excessos é libertador pensar que não devemos “captar” tudo, mas somente o essencial.

O essencial: na vida, nas ações, na profissão, no mundo. Nos sentimentos. No amor. Por mais piegas que seja, eu sempre vou querer me apegar ao amor e, quando eu me distraio desse objetivo, é sempre bom ter pessoas, o universo ou meu anjo da guarda me recordando sobre o que é verdadeiramente essencial ( é sempre bom se equilibrar no essencial).

E é por isso que em 2018 eu desejo para todos nós o que é mais essencial nessa nossa existência!

Posted on January 4, 2018 .