Hoje Deus falou comigo

Hoje Deus falou comigo. Hoje Deus utilizou algumas pessoas como canal para falar comigo. Vou tentar resumir um pouco, tentar deixar compreensível algo que pode ser um pouco abstrato para aqueles que não enxergam a vida com os meus olhos- e isso é normal, afinal, somos todos diferentes.

  Ao lado da agência onde trabalho, há um senhor que, ao que parece, recentemente passou a morar ali. Sempre que vejo esse senhor me pego pensando ( que é, também, o que sempre me pergunto quando esbarro em um morador de rua): como pode um ser humano morar na rua? Como é morar na rua? Como fica a sua dignidade e seu senso de Eu nesse contexto tão desumanizado?

Mas, por medo ou por outros motivos, eu nunca parei para falar com ele. Eu já fiz trabalhos sociais com moradores de rua, mas, confesso com um pouco de vergonha, por medo ( talvez também influenciada pela visão violenta que a mídia nos transmite todos os dias ) eu nunca paro sozinha para conversar com algum morador ou moradora. Mas, nessas situações, meu coração e meu pensamento sempre ficam com essas pessoas... 

Pois bem, seguindo para o supermercado com o objetivo de comprar um delicioso sanduíche para o almoço, eu e minha amiga  Gi fomos paradas por um hippie que estava vendendo sua arte para conseguir comer. Não tínhamos nenhuma moeda, mas desejamos um verdadeiro “boa sorte”, desejo que ele recebeu com muita alegria. 

Logo que entramos no supermercado, eu e Gi tivemos a ideia de comprar um sanduíche para ele. Já na fila, pensei: e se ele não estiver mais lá quando regressarmos? Foi assim que meu anjo da guarda, como acredito, respondeu: “se ele não estiver mais lá, você pode dar o sanduíche para o homem que você passa na frente todos os dias”.  

Quando saímos do supermercado, o hippie não estava mais lá ( seria ele também um anjo?) e, na hora, decidimos dar o sanduíche para o moço do lado da agência. Esse senhor, estava precisando desse sanduíche hoje e nos agradeceu com um “Deus abençoe".

Esse ato singelo foi um grão de areia do que ainda quero fazer pelas pessoas, do que posso fazer. Eu sei que posso fazer bem mais. E vou passar a minha vida lutando para ser melhor. Porque a gente precisa disso. Porque ninguém é verdadeiramente feliz sem compartilhar a felicidade e enxergá-la no outro.

Tenho refletido muito sobre o momento que estamos vivendo no Brasil. Lido muito, pesquisado, observado, opinado e ouvido opiniões. Ainda não cheguei à uma conclusão, até o momento, sobre a sociedade rachada que nos tornamos, mas eu tenho um aprendizado: se tem algo que sei, é que não podemos responsabilizar o outro pela mudança. Sim, é clichê, mas é a realidade: nós devemos ser a mudança. Há muitas formas de ajudar, fazer a diferença - começando pelo seu entorno- basta querer.

Posted on October 19, 2018 .