Vida, minha vida

  A gente vive esperando perfeição da vida, mas a realidade é que a vida não é perfeita e nunca vai ser. Na realidade, como já refleti sobre os relacionamentos anteriormente, é na imperfeição da vida que reside a alma de sua grandeza.       

 Sabe aquela história do lençol de elástico, que a gente ajeita de um lado e o outro, como mágica, se desajeita? Sim, assim somos nós em relação ao nosso infinito particular. Ou, pelo menos é como vejo. Viemos nessa vida para aprender e não podemos aprender – ou nos propor a aprender- a menos que sejamos desafiados. A menos que nosso lençol se desajeite e nos mostre o que precisa ser arrumado.

Cada vez mais fico em paz no sentido de que a vida é constante em sua inconstância: vou passar por momentos desafiadores, vou passar por tristezas e decepções e, com dedicação e abertura, em  seguida, serei capaz de  construir uma compreensão dentro de mim sobre o que realmente importa na vida.

 Nesse processo de amadurecimento, é muito fácil ser enganado pelo ego: pela viagem que você ainda não fez e o outro fez, pela demora que você não esperava para realizar seu objetivo profissional, ou pelo fato  do metrô parar por falta de energia e você durar uma hora a mais para chegar em casa. Como posso ser feliz assim? Mas, longe de querer soar piegas e com um olhar poético diante da vida: como não ser feliz respirando nesse mundo que me demonstra tanta beleza ? Que apesar de tanto, me mostra tanto amor? 

Quanto mais tempo você vive nesse planeta, mais você vai percebendo como coisas horríveis e maravilhosas podem acontecer com qualquer um a qualquer momento. E, o que você vai fazer em relação a isso? Parar de viver e sofrer a cada imprevisto? Ou receber de braços abertos e fazer o melhor proveito daquilo que o Universo te entrega?

Eu tenho escolhido acolher e ser feliz na medida possível da felicidade. Caio muitas vezes, mas, como é bom seguir em frente... <3

Posted on November 28, 2018 .