Oração

Conhecer mais a história da humanidade, do mundo,  me faz perceber o quão pequena eu sou. Afinal, são pouco mais de trinta anos no contexto de um vai e vem dessa casa ( por alguns chamada de Terra) que gira em torno de 2 milhões de anos. Melhor nem descobrir a representatividade dessa minha existência em relação ao resto da humanidade, né?

Ainda assim, perceber o meu real tamanho também me faz um pouco mais compassiva em relação às minhas atitudes – ou, pelo menos, assim deveria ser, risos. Percebo os erros ainda a cometer: por maior que seja o esforço para ser uma pessoa melhor, ainda serei reativa em alguns momentos, magoarei outras pessoas e me decepcionarei ao enxergar através do véu de ilusão particular.

Sinto que o principal objetivo dessa nossa passagem por aqui é a evolução. Mas, evolução mesmo, sabe? Não apenas em termos materiais. Aprender a ser menos egoísta, aprender a perdoar e pedir perdão, aprender a ser mais grata. Ter mais sabedoria. Aprender a não fugir do problema ao optar sempre pelo caminho mais fácil.

Duelos como pedras: inútil dizer como é difícil ser sempre sábio, deixar a raiva se dissipar, não querer magoar ninguém. Mas, em um segundo, tudo vai embora e penso que nada é tão difícil ou problemático quanto penso ser. As aparências realmente enganam ( quem assim deseja).

Tenho aprendido a perceber a vida com um olhar de reverência. O que significa para mim, em síntese, ser melhor a cada dia. Especialmente, e principalmente, nos relacionamentos: relacionamentos pessoais, relacionamentos profissionais, relacionamentos corriqueiros – aquele relacionamento forçado, por exemplo, com a pessoa que te empurra no metrô devido à uma reação ao meio.

Acho que nunca vai ser fácil, mas pior é sempre optar pela forma simplista. Pelo escasso: amor escasso, alegria escassa, gratidão escassa, aprendizado escasso.  Eu prefiro transbordar o mais valioso.

 

 

Posted on August 1, 2018 .